SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Países buscam soluções para uma cafeicultura sustentável

Países buscam soluções para uma cafeicultura sustentável


Fonte: Café Point (4 de outubro de 2019 )
Foto: Divulgação

No Dia Internacional do Café, comemorado em 1º de outubro, o Centro de Inversión Sostenible, da Universidade da Colômbia, divulgou um relatório intitulado “Garanta a viabilidade e a sustentabilidade econômica da produção de café”.

 

O estudo, liderado pelo professor Jeffrey Sachs, foi encomendado pelo Fórum Mundial dos Produtores de Café (FMPC) após sua primeira reunião em 2017, em Medellín, onde produtores de todo o mundo se reuniram para discutir maneiras de enfrentar a crise de preços baixos do café. As conclusões preliminares do relatório foram apresentadas no segundo Fórum em julho, em Campinas (SP).

 

O relatório analisa as causas dos baixos preços dos grãos e descreve os resultados dos novos modelos quantitativos de oferta e demanda que medem os possíveis impactos das mudanças climáticas. Os modelos projetam que, até 2050, 75% da terra adequada para a produção de café arábica e 63% da terra para a produção de café canéfora serão perdidos devido às mudanças climáticas, embora a quantidade de terra restante ainda seja maior do que a quantidade total atual de terra com lavouras de café.

 

Com base nessas descobertas, o professor Sachs convocou a indústria cafeeira e os países produtores a trabalharem juntos para garantir a sustentabilidade. “Dados os baixos preços atuais e a crescente crise climática, o setor cafeeiro deve empreender grandes esforços conjuntos para apoiar um futuro sustentável para os produtores e o setor como um todo”, observou Sachs.

 

“A cadeia de valor do café vale entre 200 bilhões e 250 bilhões de dólares por ano, dos quais os produtores recebem menos de 10%. Muitos cafeicultores da maioria dos países produtores nem sequer conseguem cobrir seus custos de produção, isso é simplesmente errado. A indústria cafeeira não pode alegar ignorar a seriedade da situação, a sustentabilidade econômica deve ser tratada imediatamente sob um princípio de corresponsabilidade, se quisermos garantir a qualidade, a diversidade e a sustentabilidade do café que os consumidores esperam em todo o mundo,” afirmou Roberto Vélez, gerente geral da Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia (FNC).

 

Para alcançar a sustentabilidade social, ambiental e econômica de toda a cadeia de fornecimento de café, o relatório da CCSI defende o desenvolvimento de planos e contribuições nacionais de sustentabilidade do café dos principais atores da indústria, de até meio centavo por xícara para o Fundo Mundial do Café. Esses recursos ajudariam a preencher lacunas críticas de financiamento para investimentos em sustentabilidade nas regiões produtoras do grão e seriam usados para alavancar fundos adicionais de governos e doadores. O relatório também inclui outras recomendações para melhorar a rentabilidade dos produtores de café.

 

“O trabalho sério e independente do Prof. Sachs e sua equipe do CCSI estimulará a discussão sobre o futuro da cadeia de valor do café. Nenhum dos atores (produtores, comerciantes, torrefadores e consumidores, públicos ou privados) pode ficar fora do trabalho conjunto necessário para retornar a cadeia de valor do café ambiental, social e, o mais importante, economicamente sustentável. O maior predador do meio ambiente e do tecido social é a pobreza”, afirmou Juan Esteban Orduz, diretor do FNC na América do Norte e coordenador do FMPC.

“Sem uma ação conjunta sustentada, que inclua contribuições pré-competitivas de torrefadores e varejistas, mais produtores de café estarão em extrema pobreza e as origens estarão concentradas em cada vez menos países. O setor corre o risco de perder grande parte de sua diversidade e resiliência. Os principais torrefadores e varejistas devem avançar para ajudar a garantir a sustentabilidade da indústria global, e os governos e agências multilaterais também devem aumentar o apoio da indústria”, disse o professor Sachs.

 

René León, diretor executivo do Promecafé, disse que “é necessário ter uma discussão aberta e franca sobre o futuro do café e o impacto negativo da atual crise de preços que, se não for abordada, continuará gerando mais pobreza, insegurança e migração ilegal em todo o mundo. Este relatório é uma contribuição muito importante para essa discussão”.

 

Segundo Ishak Lukenge, presidente da Associação Africana de Café Fino, “muitos produtores chegaram a um ponto em que nem conseguem cuidar adequadamente de suas famílias, sem mencionar suas fazendas ou comunidades. Na situação atual, quase monopólica (um único comprador), os elos mais lucrativos da cadeia de valor, especialmente torrefadores e varejistas, não podem evitar sua responsabilidade e devem garantir o futuro de toda a cadeia”.

 

O relatório completo e o resumo executivo podem ser encontrados aqui.

As informações são da Federação Nacional de Cafeicultores da Colômbia / Tradução Juliana Santin


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais