SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   ‘BR do Mar’ deve ser apresentada em outubro e diretor garante que governo irá ajudar

‘BR do Mar’ deve ser apresentada em outubro e diretor garante que governo irá ajudar


Fonte: G1 (26 de setembro de 2019 )
Dino Antunes, Diretor do Departamento de Navegação e Hidrovias da Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários, foi o expositor do segundo painel — Foto: Carlos Nogueira/Jornal A Tribuna

O “BR do Mar”, programa do Governo Federal que prevê mudanças no sistema de afretamento de embarcações e no Adicional ao Frete da Marinha Mercante (AFRMM), deve ser apresentado em outubro. Essa é a expectativa de Dino Antunes, diretor do Departamento de Navegação e Hidrovias da Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários.

 

O representante do governo participou de um debate no I Congresso de Direito Marítimo e Portuário, realizado nesta quarta-feira (25), na Associação Comercial de Santos (ACS), no litoral de São Paulo.

 

O membro do governo participou do painel “BR do Mar – Novas perspectivas para a cabotagem”, junto de Cléber Lucas, presidente da Associação Brasileira de Armadores de Cabotagem e o consultor primário Henry Robinson.

 

Cléber Lucas destacou que a cabotagem merece atenção do Poder Público. “Nos últimos 20 anos foi um completo descaso. A criação de departamento para tratar desta questão mostra um interesse de ver ela esclarecida e o desenvolvimento de uma política de estímulo implementada”, avaliou.

 

No entanto, o representante da Associação Brasileira de Armadores de Cabotagem questionou se a atuação do Poder Público será benéfica ou irá prejudicar o setor. “Estamos cansados de ver esse tipo de coisa. Politica pública, em vez de estimular, amplia tanto a discussão que vira uma colcha de retalhos e fica difícil de operar”, ponderou.

 

De acordo com Antunes, a atuação será positiva. “A gente tem uma visão de que o governo tem que estar dentro onde realmente seja necessário. O governo não pode atrapalhar, mas tem que viabilizar. Da forma como está sendo feito, com parcimônia, tendemos a ajudar mais do que atrapalhar”, disse.

 

Cleber também avaliou que o afretamento é a desoneração de novas embarcações e são bem-vindos. “Crescimento acelerado ou redução do custo de entrada é algo entendido como política pública que pode ser regulada”, comentou.

 

Cléber Lucas e Henry Robinson debateram no painel ‘BR do Mar – Novas perspectivas para a cabotagem’ — Foto: Carlos Nogueira/Jornal A Tribuna

Henry Robinson destacou que a cabotagem precisa ter papel fundamental na mudança da matriz do transporte, hoje, com domínio do sistema rodoviário.

 

O consultor alertou que o Plano Nacional de Logística (PNL) para 2025 prevê um aumento, para 37%, no modelo ferroviário, mas que não há projeção neste sentido para a cabotagem.

 

Robinson ainda falou sobre a preocupação que o governo deve ter neste momento. “A preocupação é em relação a oscilação de fretes domésticos frente a frente a flutuação internacional. Por exemplo, se o frete na China aumentar e o no Brasil permanecer o mesmo. Se não subir aqui, o armador estrangeiro pode pegar o seu navio e colocar onde tem receita maior”, comentou.

 

Dino Antunes disse que, para que ocorra a mudança da matriz logística de transporte, é preciso dar segurança. “Se expormos o mercado nacional às flutuações internacionais, isso trará volatilidade do frete para o mercado nacional”, finaliza.


Mais lidas


  Na última sexta-feira (08) o Sindicato dos Operadores Portuários do Estado de São Paulo (SOPESP) recebeu, na sua sede, o Secretário Nacional de Portos e Transportes Aquaviários do Ministério da Infraestrutura (MInfra), Mario Povia.   Essa foi à primeira visita do secretário a entidade desde que assumiu a pasta, em maio deste ano, e […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais