SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Os procedimentos em Direito Marítimo e Arbitragem

Os procedimentos em Direito Marítimo e Arbitragem


Fonte: Mundo Marítimo (24 de setembro de 2019 )

“ Nos estudos de Direito, costuma-se mencionar que processos e procedimentos em geral constituem direito vivo, uma vez que mecanismos que mobilizam a aplicação do direito substantivo para alcançar objetivos de natureza diferente são ativados, como, entre outros, o reconhecimento de um direito que foi violado ou a obtenção de alguma autorização administrativa ”, afirma o advogado, árbitro e professor de direito marítimo, José Antonio Pejovés.

 

O advogado explica que a especialidade do direito marítimo, expressa em seus graus de autonomia – jurisdicional, normativa e doutrinária – torna a estruturação de instrumentos procedimentais compatíveis com a disciplina necessária, a mesma expressa na atividade de navegação, muitas vezes exige soluções Rápido e eficaz que não é encontrado nas regras processuais civis. Nesta ordem de idéias, indica: “Alguns mecanismos processuais especiais a serem aplicados nas relações jurídicas marítimas são encontrados por juízes comuns e árbitros marítimos em normas que não estão contidas em códigos processuais civis, mas em leis de navegação, em códigos comerciais antigos, em convenções internacionais e em alguns casos em outros instrumentos que regulam certos procedimentos marítimos ”.

 

Ele acrescenta que a dinâmica da atividade comercial marítima, não limitada exclusivamente em nível nacional, mas também nas operações de fretamento e transporte marítimo internacional – para citar dois exemplos – além da globalização verificável do direito marítimo, são as causas que certos os procedimentos encontram sua regulamentação em convenções internacionais, “ como é o caso, entre outros, de procedimentos vinculados ao embargo preventivo de navios, desenvolvidos nos instrumentos internacionais de 1999 e 1952; e procedimentos aplicáveis ??aos privilégios marítimos e hipotecas navais, regulamentados nas convenções de 1993 e 1967 ” , afirma Pejovés.

 

Segundo o advogado, aos dados dos procedimentos marítimos incluídos em acordos internacionais, é possível acrescentar a importância da arbitragem, como um mecanismo alternativo de resolução de disputas cada vez mais utilizado, no qual, além de suas próprias regras privadas e flexíveis – basados como acontece nas ordenanças de muitos países na influência exercida pela Lei Modelo sobre o assunto aprovado pela Comissão das Nações Unidas para o Direito Comercial Internacional (UNCITRAL) -, “certos procedimentos marítimos especiais podem ser aplicáveis ??sob fórmulas de cláusulas inseridas por exemplo, contratos de uso de navios, baseados no princípio da autonomia da vontade ”, afirma.

 

Segundo Pejovés, os processos de reclamações marítimas por danos às mercadorias transportadas por via marítima são muito frequentes em todas as jurisdições, devido aos numerosos litígios emergentes da enorme quantidade de carga que é transportada no mundo por navios. “ Esses julgamentos, embora sejam verdadeiros no nível material, têm regras especiais de responsabilidade, como as contidas nas ‘Regras de Haia-Visby’ e nas ‘Regras de Hamburgo’, elas não têm regras processuais especiais, embora seja verdade que sempre as partes podem recorrer à solução oferecida pelos tribunais arbitrais ” , afirma o advogado.

 

A título informativo, Pejovés explica que podem ser mencionados alguns procedimentos marítimos especiais: apreensão preventiva de navios, execução de créditos marítimos privilegiados, execução de hipotecas navais, limitação de responsabilidade por reclamações por créditos marítimos – abandono do navio, e sistema forfetario (LLMC 1976 e emendas) -, liquidação do dano comum ou bruto, liquidação de sinistros em contratos de seguro marítimo, protesto perante a autoridade marítima; e procedimentos de assistência e embarque marítimos.

 

” Quando surgem disputas no direito marítimo e no comércio internacional ou nacional – pela dinâmica das vendas marítimas -, é aconselhável chamar advogados e árbitros especializados, porque sempre darão as melhores soluções para os problemas ” , conclui o advogado.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais