SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Portos do Paraná participa de debate sobre as perspectivas para o agronegócio mundial

Portos do Paraná participa de debate sobre as perspectivas para o agronegócio mundial


Fonte: Portos do Paraná (6 de setembro de 2019 )

A perspectiva de aumento na demanda para os próximos anos e como os Portos do Paraná estão se preparando para suprir essa necessidade, mantendo os níveis de qualidade e eficiência, foi o tema abordado em painel na tarde desta quinta-feira (5), durante o 7º Fórum da Agricultura da América do Sul, no auditório do Museu Oscar Niemeyer.

 

A apresentação foi do presidente da empresa pública Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, que dividiu o espaço e a fala com o presidente do Movimento Pró-logística, Edeon Vaz, sobre o tema “Logística – composição multimodal ‘destrava’ escoamento sul-americano”, moderado pelo representante da Federação das Indústrias do Paraná (Fiep), João Arthur Mohr.

 

Segundo Garcia, hoje não existe mais produtor refém de portos para o escoamento dos produtos “a qualquer custo”. Os portos públicos foram obrigados a também se desenvolverem, buscando a qualidade e a eficiência no atendimento de seus clientes.

 

“É o que estamos buscando incansavelmente nos Portos do Paraná. Já somos reconhecidos internacionalmente; somos 1º, 2º e 3º lugar em vários segmentos do agronegócio e temos total condições de aumentar, com excelência, a participação no excedente de pouco mais de 69 milhões de toneladas que vêm do setor produtivo brasileiro para ganhar o mundo pelos nossos terminais do Sul do país”, afirma.

 

O diretor-presidente da Portos do Paraná falou sobre a participação do Paraná nas exportações nacionais dos grãos, líquidos e carnes e ainda ressaltou o destaque dos portos de Paranaguá e Antonina nas importações dos fertilizantes.

 

“É sempre um desafio acompanhar o desenvolvimento nos portos e terminais do Arco Norte – isso nos motiva a melhorar sempre. É mais ainda desafiador estar ao lado do Porto de Santos, sem dúvidas o maior. Porém, sempre bom destacar que eles (santos) fizeram, em 2018, cerca de 130 milhões de toneladas, em mais de 20 quilômetros de cais. Nós, aqui em Paranaguá, fizemos 53 milhões, em pouco mais de quatro quilômetros. Isso é eficiência”, afirma Luiz.

 

Entre os esforços destacados pelo gestor da empresa pública para o desenvolvimento dos Portos, ele afirma que estão ocorrendo em três frentes: investimentos em infraestrutura terrestre, infraestrutura marítima e na retroárea, com a perspectivas de novos arrendamentos.

 

“Nosso esforço é diário de sustentar e manter atrativa a nossa cadeia logística do Paraná. Agora, com a descentralização, temos condições de seguir um planejamento próprio, visando a melhoria das condições da retroárea portuária, com cinco novas grandes oportunidades de novos terminais arrendados, em vários segmentos”, explica Garcia.

 

Segundo as projeções do último Planejamento Nacional de Logística Portuária (PNPL), até 2030, os Portos do Paraná devem movimentar cerca de 60 milhões de toneladas. Gradativamente, até 2060, esse total deve alcançar o patamar dos 70 milhões (2040), 80 milhões (2054) e 85 milhões (2060).

 

O evento vai até sexta-feira (6), reunindo importantes nomes e instituições do Agronegócio de mais de 15 países.


Mais lidas


Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais