SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Acordo abre espaço para agronegócio brasileiro na Suíça e na Noruega

Acordo abre espaço para agronegócio brasileiro na Suíça e na Noruega


Fonte: Valor Econômico (28 de agosto de 2019 )
Foto: Unsplash

Com sua forte competitividade, a agricultura brasileira terá boas oportunidades de negócios, a partir da entrada em vigor do acordo de livre comércio entre o Mercosul e a Associação Europeia de Livre Comércio (Efta) — formada por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein —, acreditam negociadores.

 

Autoridades de Suíça e Noruega lamentaram o “timing” (momento) da conclusão do acordo, por causa da confusão envolvendo as queimadas da Amazônia e dos protestos contra Jair Bolsonaro. Mas a avaliação dos dois principais mercados da Efta é positiva, e esses países consideram o tratado essencial para suas empresas manterem competitividade em Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

 

“O Brasil vai ter acesso a cotas OMC com tarifa zero, o que não é oferecido a os outros países com os quais a Efta tem acordo”, diz Lucas Ferraz, secretário de Comércio Exterior , exemplificando uma das vantagens que terá o agronegócio brasileiro. A avaliação é de que o Efta fez ao Mercosul a melhor oferta agrícola entre os 29 acordos que já firmou.

 

Suíça e a Noruega fizeram ofertas de acesso ao mercado separadas. No caso da Suíça, haverá permissão para a entrada sem tarifas de café torrado, etanol, suco de laranja, fumo não manufaturado, melões, bananas, uvas frescas, amêndoas e manteiga de cacau. E o Mercosul passará a disputar com os outros países com os quais a Suíça tem acordo, só que com tarifa zero, cotas de 22,5 mil toneladas de carne bovina, 54,4 mil de carnes de frango, peru, suína e suas preparações, 22.250 de batatas, 70 mil de cereais e produtos derivados (exceto soja), e 70 mil toneladas de grãos para consumo humano.

 

A Suíça ainda abrirá cotas específicas para o Mercosul, também sem tarifa, de 3 mil toneladas de carne bovina, 7 mil de milho, 1 mil de frango, 200 de carne suína, 2 mil de mel, 2 mil de oleaginosas (incluindo de soja), 600 de batatas, 500 de farinha de milho e 500 de cebolas.Já a Noruega reservará ao Mercosul o acesso à cotas OMC de 1.084 toneladas de carne bovina, 1.381 toneladas de carne suína, 221 de frango e 10 mil toneladas de trigo. Os noruegueses abrirão também cotas exclusiva ao Mercosul de 665 toneladas de carne bovina, 200 de frango, 10 mil de milho e farinha de milho, 5 mil de farelo de soja e 9,5 mil de melaço de cana.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais