SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Eventos   /   Porto de Brisbane: Boas práticas entre o público e o privado

Porto de Brisbane: Boas práticas entre o público e o privado


Fonte: CODESA (22 de agosto de 2019 )

O Porto de Brisbane (PBPL), localizado no subúrbio da cidade de Brisbane, capital do estado australiano de Queensland, recebeu nesta terça-feira (20)a visita da comitiva brasileira, liderada pelo secretário Nacional de Portos, Diogo Piloni. O presidente da CODESA, Julio Castiglioni, o diretor Bruno Fardin e a coordenadora de Marketing do Porto de Vitória, Raquel Guimarães, além do diretor do Porto de Santos, Danilo de Morais Veras, do gerente de Regulação, Gabriel Rapoport Furtado, e do conselheiro Daniel Rodrigues Audigueri, integram o grupo que percorre alguns portos da Austrália para conhecer as melhores práticas de gestão portuária.

 

Brisbane foi o primeiro porto australiano a ser privatizado. A MSQ (órgão público do Estado) é a Autoridade Portuária de todos os portos de Queensland.

 

A agenda em Brisbane iniciou com a recepção do CEO Roy Cummins. O dirigente do porto, privatizado em 2010, fez uma apresentação inicial destacando que o PBPL é altamente segmentado, com áreas planejadas para diversos tipos de operações, disponibilizando, ainda, áreas para expansão. Entre as atribuições que eram da antiga Autoridade Portuária Pública, e que agora são gerenciadas pela PBPL, está a dragagem do canal, feita por maquinário próprio do porto e paga pelos arrendatários. O PBPL cobra pelo uso do canal, da infraestrutura e dos acessos.

 

Autoridade Portuária

Cummins explicitou que, em sua política de preços, o Porto de Brisbane privilegia a inteligência tarifária e o constante monitoramento dos anseios do mercado. “O contato próximo do porto com seus arrendatários, e também a interlocução com o Estado, caracteriza o foco de mercado do PBPL. Acordos garantem a manutenção das conexões e acessos entre porto, estradas e ferrovias”, explicou o CEO. Segundo ele, ainda há obrigações públicas, hoje concentradas no MSQ que reúne atribuições de harbour master, segurança marítima (safety) e regulação. A praticagem, apesar de privada, é gerenciada pela MSQ.

 

Durante a visita marítima coordenada pelo CEO Cummins, pelo COO (Chefe de operações) Peter Keyte e pelo gerente de relações institucionais Brendan Connell, foi feita uma apresentação detalhada das operações e vantagens competitivas do porto, com “viés de mercado apurado”. Questionamentos do grupo sobre a experiência de Brisbane durante e após o processo de privatização, enfrentado em 2010, foram respondidos no detalhe pelo time, tornando a visita técnica dinâmica e proveitosa.

 

A próxima parada da comitiva é na cidade de Melbourne. A visita técnica aos portos da Austrália termina nesta sexta-feira (23).


Mais lidas


Trabalhar no Porto de Santos é o sonho de muitos estudantes e profissionais. Oportunidades não faltam! Afinal, são várias empresas que atuam nos quase 8 milhões de m² do maior porto da América Latina.   Com toda essa estrutura, logística e evolução tecnológica, as empresas vêm exigindo cada vez mais profissionais altamente qualificados e capacitados. […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais