SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Expansão do Porto de Valência parada gera receios de perda de competitividade para Sines

Expansão do Porto de Valência parada gera receios de perda de competitividade para Sines


Fonte: Revista Cargo (15 de agosto de 2019 )

O debate sobre a extensão Norte do Porto de Valência vem aprofundando as cisões entre partidos no que toca ao futuro da infra-estrutura portuária espanhola: enquanto a Ministra da Agricultura, Desenvolvimento Rural, Emergência e Transição Ecológica, Mireia Mollá, sustenta que é imperativo um novo relatório – que atrasaria consideravelmente as obras – a facção do PP na Câmara Municipal de Valência pede à Generalitat e ao Governo central que acelerem a tramitação da empreitada que permitirá ao porto valenciano expandir-se.

 

Porto de Valência em stand-by
Citada pela imprensa espanhola, Maria José Catalá, porta-voz do Partido Popular (PP) da Comunidade de Valência, destacou o contínuo boicote da coligação Compromís às principais infra-estruturas da cidade de Valência, que criarão mais emprego, riqueza e maior acessibilidade. Entre os projetos boicotados, sublinhou Catalá, está precisamente a extensão norte do porto. Para a deputada das Cortes Valencianas (órgão legislativa da Generalitat valenciana), este impasse faz com que a cidade retroceda posições e perca a liderança.

 

Catalá alertou para o facto de a estagnação do dossier do porto valenciano ter nefastas consequências para a competitividade da infra-estrutura, líder do tráfego de mercadorias, e pediu a Pedro Sánchez (Presidente do Governo de Espanha) que seja ágil a formar governo para assim poder acelerar o processo: O porto com maior competitividade em toda a Espanha está em stand-by, esperando por decisões que não se sabe quando chegarão, apontou a política. Recorde-se que o país vive um impasse parlamentar, desde as últimas eleições gerais, em Abril.

 

…receia investimentos aprovados em Sines
Em todo este dossier, Portugal acaba por ser, indiretamente, parte interessada. Ou pelo menos, é assim que pensa Maria José Catalá: enquanto o impasse nacional contagia os projetos do porto valenciano, outras cidades, como Sines, estão a dar luz verde a investimentos que permitirão fazer com que os seus recintos portuários ganhem competitividade às custas de Valência, referindo-se a deputada à aprovação, em Conselho de Ministros, da ampliação do Terminal XXI e da construção do novo terminal de contentores no porto alentejano.

 

Recorde-se que a ministra da Transição Ecológica, Mireia Mollá, declarou recentemente que a declaração de impacte ambiental que validou o projeto portuário em Valência é datada de 2007 e está ultrapassada no tempo e no contexto, considerando ser importante reavaliar todo o processo para que se possa ter certeza de que o projeto é positivo para a comunidade valenciana.


Mais lidas


Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais