SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Contêineres dobráveis: a inovação da Navlandis que visa solucionar o problema dos contêineres vazios

Contêineres dobráveis: a inovação da Navlandis que visa solucionar o problema dos contêineres vazios


Fonte: Revista Cargo (15 de agosto de 2019 )

Foi a inovação a catapultar a empresa espanhola Navlandis para o estrelato e será a inovação a fazer desta a grande sensação de 2019 no contexto do setor do transporte marítimo de cargas: a empresa valenciana está prestes a lançar no mercado o conceito de contêiner dobrável, tal como revela uma reportagem efetuada, no arranque deste mês, pelo jornal espanhol ‘Valencia Plaza’. No centro das atenções está Miguel Navalón.

 

O CEO da empresa Navlandis mergulhou no processo de edificação deste novo conceito de contêiner em 2015, tentando dar solução para o problema da vasta quantidade de contentores que viajam vazios e do consequente espaço que ocupam nos navios e nos terminais. Miguel Navalón tentou encontrar a fórmula perfeita para reduzir o impacto gerado pelos contentores que, após ficarem vazios, continuam a ser um empecilho logístico.

 

Vislumbre do Porto de Valência fez despontar solução para os contentores vazios

A ideia de contêiner dobrável surgiu de uma conversa informal em que alguém frisava a quantidade de contentores vazios no Porto de Valência e se seria possível fazer algo sobre isso, revelou Navalón à publicação. Começou aí o objetivo de solucionar a questão: atualmente, o sistema da Navlandis foi patenteado em Espanha e está em processo de obtenção da patente internacional.

 

Após passar por várias fases de pesquisa e desenvolvimento e até de inclusão em programas de aceleração destinados a startups emergentes, a Navlandis já recebeu vários elogios por banda das transportadoras marítimas, interessadas neste novo conceito: O transporte marítimo tem um forte componente de emissões de CO2; o problema com a gestão de contentores reside no fato de 25% viajarem vazios e passa metade da sua vida útil em terra, à espera de serem recolhidos. Isso causa 200 milhões de toneladas de emissões de CO2 por ano, explicou o CEO.

 

Menos CO2, menos espaço ocupado em terra e maior poupança

Ao sermos capazes de colocar cinco contentores no espaço de apenas um, reduzimos as despesas em cinco vezes no transporte e armazenamento, e, por ser dobrável, reduzem-se as complexidades das operações de carga e descarga. Estimamos economias de 30% para as empresas na gestão de contentores vazios e diminuir em 80% o espaço ocupado em terra, acrescentou Miguel Navalón. A tudo isto soma-se uma redução de 16% de CO2 do transporte marítimo na gestão e manuseamento de contentores vazios.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais