SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Vale do São Francisco exporta 9 milhões de caixas de manga ano; dados são apresentados no 11º Workshop Internacional da NMB

Vale do São Francisco exporta 9 milhões de caixas de manga ano; dados são apresentados no 11º Workshop Internacional da NMB


Fonte: CLAS Comunicação & Marketing (9 de agosto de 2019 )

Segundo maior mercado consumidor final da manga produzida no Vale do São Francisco (depois da Europa), os Estados Unidos compraram da região 9 milhões de caixas, no ano passado. Entre 2005 e 2018, o consumo dos americanos aumentou 87% e hoje já importam apenas do Brasil 115 milhões de caixas da fruta que também é produzida por países como México, Peru e Equador. Cientes da importância desse mercado, produtores, técnicos e pesquisadores participaram nesta quarta-feira (7) do ‘XI Workshop Internacional da National Mango Board’, em Petrolina (PE). No evento, eles discutiram a melhoria da produção e da qualidade da fruta.

 

O workshop é uma iniciativa da NMB (National Mango Board), entidade de fomento ligada ao Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (sigla em inglês USDA) com apoio da Associação dos Produtores e Exportadores de Hortigranjeiros e Derivados do Vale do São Francisco (Valexport). De acordo com o diretor de marketing da instituição brasileira, Caio Coelho, foi a partir dessa parceria que os produtores da região saíram das 500 mil caixas de manga enviadas aos EUA para chegar aos 9 milhões ao ano, em 20 anos.

 

“Os números de exportação são grandes. Como um exportador que acompanha esse mercado, acho que chegamos a um volume que requer mais administrar do que expandir”, disse o diretor de Marketing da Valexport, Caio. Segundo o gestor, a distância do mercado estadunidense e o chamado ‘custo Brasil’ tendem a limitar maiores expansões. “Nosso custo de água e energia tem aumentado bastante nos últimos anos, somadas a isso temos as despesas com os tratos culturais, cuidados com o meio ambiente, fertilizantes e defensivos agrícolas, que custam o dobro se comparados aos países produtores concorrentes México, Peru e Equador”, explica.

 

No encontro, que trouxe o diretor de Pesquisa do NMB, Leonardo Ortega, e a gerente de Relações Industriais, Carla Sosa, os produtores, técnicos e pesquisadores do Vale puderam interagir em palestras proferidas por pesquisadores da Embrapa e Univasf, como: ‘Efeitos nutricionais e fisiológicos dos bioestimulantes em manga’, ‘Insumos biológicos para o manejo de pragas e doenças da mangueira’, ‘Panorama atual das pragas da mangueira no Vale do São Francisco’. À tarde, exportadores e diretores de fazendas participaram ainda de uma reunião de trabalho e discussão com os representantes da National Mango Board. Na oportunidade, fizeram análises do comportamento da manga brasileira no mercado americano, sendo apresentadas novas pesquisas desenvolvidas pela NMB.

 

Realizado também em outros países, o Workshop Internacional da Manga é desenvolvido de acordo com as especificidades de cada região. Leonardo Ortega diz que o objetivo do NMB é promover o marketing da manga nos EUA, visando aumentar o consumo da fruta; para isso busca ajudar exportadores dos países produtores a atenderem as normas de qualidade e consistência do fruto. “Em 2005, nós importávamos 62 milhões de caixas de manga; no ano passado nós já estávamos consumindo 87% a mais em relação aquele ano. Isso mostra nosso êxito e de nossos parceiros”, finaliza.

 

Valexport

Parceira da National Mango Board desde sua origem, em 2005, a Valexport tem como objetivo defender o produtor e exportador hortifrutigranjeiro. Pioneira no Vale – ela foi criada em 1988 em Petrolina –, a associação responde por 70% de toda produção frutícola da região e 80% de suas exportações. Entre suas principais metas, estão o fortalecimento das exportações, incremento à pesquisa de fruticultura irrigada, adequação de infra-estrutura portuária e aeroportuária, integração da fruticultura ao nível do país, marketing e novos mercados.


Mais lidas


Trabalhar no Porto de Santos é o sonho de muitos estudantes e profissionais. Oportunidades não faltam! Afinal, são várias empresas que atuam nos quase 8 milhões de m² do maior porto da América Latina.   Com toda essa estrutura, logística e evolução tecnológica, as empresas vêm exigindo cada vez mais profissionais altamente qualificados e capacitados. […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais