SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Cabotagem em alta

Cabotagem em alta


Fonte: A Tribuna (4 de julho de 2019 )

Assim como o transporte ferroviário começou a receber atenção especial desde a greve dos caminhoneiros em maio do ano passado, a cabotagem também atraiu novo olhar. Trata-se do transporte marítimo de cargas apenas entre os portos do Mercosul. Essa modalidade ainda tem participação modesta no setor portuário. Já a navegação de longo curso (para outros continentes) domina 75% do mercado, mas é inegável que a cabotagem é opção interessante para substituir a alta concentração dos transportes na rede rodoviária.

 

Não é apenas a greve dos caminhoneiros, que tem alta probabilidade de se repetir, que torna arriscada a concentração do transporte de cargas nas rodovias. Também se deve considerar como séria desvantagem na opção do País pelas estradas a incidência de roubos e acidentes. Ou ainda as más condições rodoviárias, principalmente nos outros estados. Esse último problema é considerado a causa da baixa produtividade do agronegócio brasileiro frente a seus concorrentes externos. O produto agropecuário nacional é de menor custo que o americano na fazenda, mas quando ganha as rodovias, torna-se mais caro.

 

Portanto, as ferrovias e a cabotagem merecem todas as atenções para diversificar os modais à disposição das cargas. No Brasil, o uso dos trens está concentrado nas necessidades do minério de ferro e nos investimentos da Vale e nas operadoras que atendem o agronegócio. Já a cabotagem, segundo a Confederação Nacional dos Transportes (CNT) é responsável por 15% de toda a navegação no País (as outras modalidades incluídas nessa conta são a de longo curso e o transporte nos rios).

Migrar uma parcela cada vez maior das mercadorias hoje transportadas pelo modal rodoviário para a cabotagem é um desafio que exige investimentos e convencimento. Isso porque uma quantidade maior de produtos seria despejada nos complexos portuários, que precisam ter melhores acessos e mais integração às estradas que levarão as cargas aos locais de destino, se for o caso das regiões do Interior. Porém, se os acessos ao Porto de Santos, o maior do País, já são alvo de queixas e deixam a desejar, imagina-se a condição dos outros portos, com estruturas bem menores e reduzido volume de movimentação de mercadorias. Além disso, é preciso conquistar a confiança do mercado na cabotagem.

 

Os modais ferroviário e de cabotagem têm ampliado sua participação no transporte de mercadorias do País, porém a uma velocidade muito pequena. Para reduzir de forma considerável o domínio das rodovias, é preciso que os donos das cargas pressionem o setor público para que dê prioridade a essa mudança, desenvolvendo planos sérios de transporte com essa visão. A capacidade estatal de investimento é quase nula, mas a disposição do governo para conceder serviços é uma oportunidade de crescimento para a cabotagem.


Mais lidas


  Estivemos presente na primeira Expo Retomada – Evento Teste Oficial autorizado pelo Governo do Estado de São Paulo e a Prefeitura Municipal de Santos, para falarmos sobre a reabertura dos eventos.   Nosso Diretor-Executivo, Ricardo Molitzas participou no 3º Painel: “Novas oportunidades de gestão para o setor de eventos” ao lado da Sueli Martinez […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais