SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   ANTF elabora alternativas para ramais ferroviários antieconômicos

ANTF elabora alternativas para ramais ferroviários antieconômicos


Fonte: AGENCIAINFRA.COM (21 de fevereiro de 2019 )

A ANTF (Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários) elaborou um estudo sobre o uso dos ramais ferroviários antieconômicos do país. O documento será apresentado na próxima reunião da CTLog (Câmara Temática de Infraestrutura e Logística do Agronegócio), no dia 27 de fevereiro.

 

Hoje, o Brasil tem cerca de 30 mil quilômetros de linhas ferroviárias, dos quais 18 mil estão paralisados por não serem viáveis economicamente ou por impossibilidade de devolução pela concessionária ao governo. O estudo, entretanto, não cita quais ramais abandonados poderiam ser reutilizados.

 

Para cada alternativa de devolução, foram estabelecidos critérios e condições da malha e das cidades ao redor. No caso de implementação de shortlines (pequenas ferrovias de carga) foi usado como referência a experiência dos EUA e Canadá. Nesses países, várias linhas que eram exploradas por grandes ferrovias foram sendo vendidas ou repassadas a empresas de menor porte.

 

Segundo dados do Surface Transportation Board, órgão de regulação econômica dos transportes terrestres nos EUA, uma shortline tem receita anual inferior a US$ 37 milhões. Por isso, no caso brasileiro, para implementação desse modelo, foram usadas as seguintes condições: conectar-se a um segmento ferroviário que seguirá operacional; existência de uma demanda mínima anual de pelo menos 500 mil toneladas úteis; e conexão ferroviária em mesma bitola.

 

Veículo Leve Sobre Trilhos
Segundo o estudo da ANTF, os altos custos de implantação e de operação têm inibido um maior desenvolvimento dos VLTs (Veículos Leves Sobre Trilhos) no país, com apenas três projetos tendo sido efetivamente implantados: Santos (SP), Rio de Janeiro (RJ) e Recife (PE).

 

Portanto, somente cidades com elevado grau de urbanização estariam habilitadas a implantar projeto de VLT em suas malhas caracterizadas como antieconômicas. Além disso, é importante não haver previsão de sistema BRT concorrente em quaisquer dos municípios envolvidos.

 

Trem intercidades
Com apenas duas malhas no país, e um dos primeiros projetos anunciados pelo Ministério da Infraestrutura junto ao governo de São Paulo para ligar Campinas (SP) à capital paulista, o trem intercidades aparece como possibilidade em pelo menos 14 projetos em potencial do Ministério dos Transportes (hoje Infraestrutura) citados no estudo.

 

Esses projetos tem por finalidade única a melhoria da acessibilidade em grandes regiões metropolitanas cujas vias rodoviárias estejam ou venham a estar brevemente saturadas.

 

Uso não ferroviário
O estudo apresenta ainda a possibilidade de reutilizar o espaço da malha para fins não ferroviários. Nos pátios abandonados, por exemplo, o estudo apresenta a opção de espaço aberto para lazer ou espaço fechado para implantação de projetos sociais, como escola, creche, posto de saúde, grupamento de corpo de bombeiros, delegacia ou conjunto habitacional.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais