SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Operações   /   Com governo Bolsonaro, setor portuário espera por maior autonomia

Com governo Bolsonaro, setor portuário espera por maior autonomia


Fonte: A Tribuna (18 de dezembro de 2018 )
Segundo presidente da Codesp, expectativa de descentralização da gestão portuária é real (Rovena Rosa/Agência Brasil)

O início do governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) é visto como uma oportunidade de uma nova era no setor portuário. A tão aguardada descentralização da gestão dos portos é uma esperança para autoridades, empresários e especialistas no setor.

 

É o caso do consultor portuário Frederico Bussinger. Para ele, há indícios de que as decisões relacionadas ao setor deixem de ser tomadas exclusivamente na capital federal.

“Eu diria que esta é uma questão possível. Temos, de um lado, uma pauta econômica liberal, de autonomia. E do outro lado, uma parte do governo militar que tem uma visão de planejamento muito clara. Dessa oportunidade liberal e de planejamento, nós temos chance de ter a descentralização, e eu vejo isso com bons olhos”.

 

Para o diretor-presidente da Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), Luiz Fernando Garcia, a expectativa de descentralização da gestão portuária é real. Segundo ele, no ano passado, foi iniciada uma discussão que tratou do assunto no Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil (MTPAC).

“Como resultado, há um procedimento pronto para ser lançado, com a delegação de competências às companhias docas”, destacou o executivo. Entre elas, está a possibilidade de licitação de áreas que, antes da lei nº 12.815, a Lei dos Portos, era uma atribuição das autoridades portuárias, como a Codesp.

 

Segundo Garcia, a descentralização está na lista de assuntos discutidos informalmente em uma reunião que teve com a equipe de transição. “Levei o que me deparei quando cheguei aqui, Levei um pouco do cenário do Porto de Santos mas não foi nada formal. Foram discussões de possíveis melhorias a serem implementadas no novo governo, mas a principal questão foi a das concessões dos terminais”.

 

Segundo Bussinger, as perspectivas apontam para mudanças. Mas será preciso resolver questões relacionadas à burocracia. “Estou muito esperançoso pelo momento e pela oportunidade. Tem uma retomada em curso. Mas eu acho que a gente precisa trabalhar melhor os fundamentos dessas dificuldades.


Mais lidas


Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais