SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Terminais privados planejam reunião com equipe de transição

Terminais privados planejam reunião com equipe de transição


Fonte: A Tribuna (1 de novembro de 2018 )
ATP realizará seminário para debater desafios do setor (Alexsander Ferraz/AT)

As carências da infraestrutura brasileira, o excesso de regulação do poder público e a necessidade de desburocratização e de segurança jurídica aos empresários do setor estão na pauta de discussões que a Associação de Terminais Portuários Privados (ATP) pretende ter com a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL). A entidade, que já encaminhou um manifesto durante a campanha eleitoral, planeja um encontro com a equipe de transição de governo.

 

A ideia é que o contato aconteça o quanto antes. O primeiro passo neste processo de aproximação poderá ser dado no próximo dia 8, durante 5º Encontro ATP. A expectativa é reunir, no evento que acontecerá em Brasília, autoridades, representantes do novo governo, players, especialistas e empresários para as discussões setor.

 

“Debateremos as propostas para os setores de infraestrutura e logística e os desafios do próximo presidente eleito do Brasil. A partir dessa discussão, creio que teremos mais insumos para traçar novas estratégias para o crescimento do setor e contribuir para o desenvolvimento do País”, afirmou o diretor-presidente da ATP, Murillo Barbosa.
No texto do manifesto encaminhado à equipe de Bolsonaro antes da eleição, a ATP destacou que: “é preciso reposicionar as questões jurídicas em favor da liberdade de empreender, garantindo a disposição dos investidores em aplicar seus projetos no Brasil”.

 

“Neste manifesto, incentivamos o modelo de logística de transporte integrada, com origens e destinos que conectem áreas de produção e polos industriais aos terminais portuários, com o uso da multimodalidade, se houver a oferta de outros modais, principalmente de ferrovias, hidrovias e a navegação de cabotagem”, destacou Barbosa.

 

A implementação do Plano Nacional de Logística (PNL) também é outra questão destacada pela entidade que representa os terminais privados do País. Para Barbosa, o segmento sofre com as carências da matriz logística, refletidas no alto custo do transporte da produção, majoritariamente rodoviário, afetando a dinâmica econômica e a oscilação do custo-Brasil.

 

“Enquanto de um lado temos empresas privadas que investem seu capital, enfrentando riscos para prestar serviços ao Brasil com eficiência e modernização, de outro, a oferta precária de infraestrutura compromete a lógica de distribuição do produto brasileiro e prejudica a dinâmica econômica”, avalia.

 

Os Terminais de Uso Privado (TUP), responsáveis por 67% da movimentação de cargas, utilizam 100% de capital privado e apontam os riscos inerentes ao mercado como um dos entraves para a atividade. Segundo o presidente da entidade, só nos últimos cinco anos, as instalações deste tipo investiram mais de R$ 21 bilhões para a modernização e melhorias das operações em 78 instalações em todo o País.

 

Descentralização

Segundo o presidente da ATP, as gestões baseadas em indicações políticas não influenciam os terminais vinculados à entidade, já que eles utilizam capital próprio. Porém, o executivo admite que uma administração técnica nos altos escalões do governo poderá contribuir com os principais pleitos do segmento, entre eles, desburocratização e mudança regulatória, com aprimoramento de sistema e aumento de segurança jurídica.

 

“Esta é uma decisão importante que caberá não só ao novo Governo Federal, como também aos novos governadores dos estados onde há unidades portuárias, sejam concessionados, sejam autorizados. Será preciso uma análise mais aprofundada sobre cada realidade para saber onde e se caberá a interferência da União ou mais diretamente do estado”, afirmou o presidente da ATP.

 

Murillo Barbosa garante estar com uma boa expectativa para os próximos quatro anos. “Estamos otimistas. Creio que a nova gestão do País poderá se alinhar às demandas do setor portuário privado, uma vez que nossos pleitos já são conhecidos”.


Mais lidas


    A desestatização do Porto de Santos deve ser concluída até o fim de 2022, de acordo com o secretário nacional de Portos e Transportes Aquaviários no Ministério da Infraestrutura, Diogo Piloni, durante o III Congresso de Direito Marítimo e Portuário. De acordo com ele, a consulta pública deve ser aberta até o fim […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais