SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Mercado   /   Trocas de contêineres entre países do Brics sobem 1,5%

Trocas de contêineres entre países do Brics sobem 1,5%


Fonte: A Tribuna (27 de julho de 2018 )
Países se reuniram para fortalecer parcerias e negócios (Foto: AFP/Gianluigi Guercia)

No momento em que chefes de Estado e de governo reúnem-se na 10ª edição da cúpula do Brics (formado pelo Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) para fortalecer parcerias e negócios entre os países, o comércio exterior entre este grupo sofre desaceleração, gerando impactos no setor portuário.

 

De acordo com levantamento da multinacional de transporte marítimo Maersk Line, no primeiro trimestre de 2018, o comércio de cargas conteinerizadas entre os integrantes deste grupo cresceu 1,5% em comparação com o mesmo período do ano passado. Mas no resultado geral, o desempenho geral do Brasil é considerado menor com relação aos demais países.

 

Entre janeiro e março, a exportação do País para China, Rússia, Índia e África do Sul subiu, respectivamente, 21%, 5,1%, 19% e 17%. Ao mesmo tempo, as importações desses países para o Brasil também aumentaram: 20%, 23%, 18% e 39%, respectivamente.

 

Mesmo com aumentos, que podem ser considerados positivos, o volume transportado em contêineres são menores do que os registrados em 2014, antes da crise.

 

Segundo semestre em queda

O setor teme que o cenário possa ser pior, pois o levantamento é um registro das atividades do primeiro trimestre, quando o Brasil estava se beneficiando de um impulso nas importações graças à Copa do Mundo e de uma expectativa de melhora mais considerável na economia em 2018, o que não ocorreu.

 

Além disso, há a incerteza do ano com eleições presidenciais, que faz com que as empresas adiem investimentos.

 

“O comércio exterior entre os Brics continuará crescendo em importância no médio e longo prazo, mas, no segundo semestre de 2018, será bastante desafiador para o Brasil, na melhor das hipóteses”, avalia o diretor de Trade e Marketing da Maersk Line para a Costa Leste da América do Sul, Matias Concha.

 

Outro fator que mudou a característica de exportação brasileira de cargas refrigeradas entre este grupo de países foi a restrição russa à carne nacional.

 

Concha explica que a movimentação deste produto para Rússia teve uma queda brusca no crescimento de 21%, no quarto trimestre do ano passado para 5,1%, nos primeiros três meses de 2018.

 

Isso fez com que os produtores de carne brasileiros focassem esforços na comercialização de aves da China, que cresceu 5,8% no primeiro trimestre em relação ao mesmo período de 2017.


Mais lidas


  Estivemos presente na primeira Expo Retomada – Evento Teste Oficial autorizado pelo Governo do Estado de São Paulo e a Prefeitura Municipal de Santos, para falarmos sobre a reabertura dos eventos.   Nosso Diretor-Executivo, Ricardo Molitzas participou no 3º Painel: “Novas oportunidades de gestão para o setor de eventos” ao lado da Sueli Martinez […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais