SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Ecossistema marinho da região será monitorado

Ecossistema marinho da região será monitorado


Fonte: Diário do Litoral (23 de julho de 2018 )
Um dos objetivos é ampliar o estudo sobre espécies ameaçadas de extinção.                      Foto: Leo Francini/Projeto Mantas do Brasil

O ecossistema marinho do Parque da Laje de Santos e do Parque Nacional Marinho dos Currais, no Paraná, será monitorado por um ano. Um dos principais objetivos dos pesquisadores, além de observar as diferenças e semelhanças entre as duas regiões, é ampliar o estudo sobre o Mero (Epinephelus itajara), a Tartaruga-verde (Chelonia mydas) e a Raia manta (Mobula birostris), todas espécies ameaçadas de extinção.

 

O trabalho ocorre entre as equipes do Projeto Mantas o Brasil, patrocinado pela Petrobras e pelo Porto de Santos (CODESP), que estuda a ocorrência de raias mantas na costa brasileira, e do Programa de Recuperação da Biodiversidade Marinha (Rebimar).

 

A ação foi iniciada em junho com a instalação de um equipamento chamado Arms (Sistema de Monitoramento de Recife Artificial, em inglês) no Parque Estadual Marinho da Laje de Santos. O aparelho simula o ambiente recifal, o que permite a colonização natural dos organismos marinhos que, posteriormente, ­serão retirados e estudados sem interferir o ­entorno.

 

“Isso evita que a gente faça raspagem nas rochas, por ser uma estrutura artificial. Há vários instalados em pontos do Paraná e de São Paulo nos ajudando a estabelecer essa conectividade entre os ecossistemas, que formam um corredor ecológico para uma série de espécies”, explica o biólogo Rafael Metri.

 

Para isso, segundo o coordenador de pesquisas do Projeto Mantas do Brasil, o biólogo e mergulhador Léo Francini, as equipes utilizam um equipamento de chamado Rebreather, que reduz os ruídos produzidos pelo mergulhador debaixo d´água em relação ao sistema que utiliza o cilindro de ar convencional. “Assim, conseguimos nos aproximar mais dos animais, como as raias, para fazer imagens sem afugentá-los”.

 

O uso do equipamento possibilitou que os pesquisadores pudessem, também, catalogar animais encontrados no entorno do santuário ­marinho, na costa ­paulista.

 

“O objetivo dessa expedição também foi o de fazer censos visuais de peixes com o uso dessa tecnologia”, explica o coordenador do Programa Rebimar, Robin Loose.

 

A soma de esforços, além de permitir a ampliação de estudos de espécies, vai colaborar com a troca de experiência entre os pesquisadores das duas regiões e os resultados vão apoiar estudos de universidades federais dos dois estados. Os equipamentos utilizados na expedição foram adquiridos pelo Projeto Rebimar com o patrocínio da ­ ­Petrobras.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais