SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Infraestrutura e Investimentos   /   Ecossistema marinho da região será monitorado

Ecossistema marinho da região será monitorado


Fonte: Diário do Litoral (23 de julho de 2018 )
Um dos objetivos é ampliar o estudo sobre espécies ameaçadas de extinção.                      Foto: Leo Francini/Projeto Mantas do Brasil

O ecossistema marinho do Parque da Laje de Santos e do Parque Nacional Marinho dos Currais, no Paraná, será monitorado por um ano. Um dos principais objetivos dos pesquisadores, além de observar as diferenças e semelhanças entre as duas regiões, é ampliar o estudo sobre o Mero (Epinephelus itajara), a Tartaruga-verde (Chelonia mydas) e a Raia manta (Mobula birostris), todas espécies ameaçadas de extinção.

 

O trabalho ocorre entre as equipes do Projeto Mantas o Brasil, patrocinado pela Petrobras e pelo Porto de Santos (CODESP), que estuda a ocorrência de raias mantas na costa brasileira, e do Programa de Recuperação da Biodiversidade Marinha (Rebimar).

 

A ação foi iniciada em junho com a instalação de um equipamento chamado Arms (Sistema de Monitoramento de Recife Artificial, em inglês) no Parque Estadual Marinho da Laje de Santos. O aparelho simula o ambiente recifal, o que permite a colonização natural dos organismos marinhos que, posteriormente, ­serão retirados e estudados sem interferir o ­entorno.

 

“Isso evita que a gente faça raspagem nas rochas, por ser uma estrutura artificial. Há vários instalados em pontos do Paraná e de São Paulo nos ajudando a estabelecer essa conectividade entre os ecossistemas, que formam um corredor ecológico para uma série de espécies”, explica o biólogo Rafael Metri.

 

Para isso, segundo o coordenador de pesquisas do Projeto Mantas do Brasil, o biólogo e mergulhador Léo Francini, as equipes utilizam um equipamento de chamado Rebreather, que reduz os ruídos produzidos pelo mergulhador debaixo d´água em relação ao sistema que utiliza o cilindro de ar convencional. “Assim, conseguimos nos aproximar mais dos animais, como as raias, para fazer imagens sem afugentá-los”.

 

O uso do equipamento possibilitou que os pesquisadores pudessem, também, catalogar animais encontrados no entorno do santuário ­marinho, na costa ­paulista.

 

“O objetivo dessa expedição também foi o de fazer censos visuais de peixes com o uso dessa tecnologia”, explica o coordenador do Programa Rebimar, Robin Loose.

 

A soma de esforços, além de permitir a ampliação de estudos de espécies, vai colaborar com a troca de experiência entre os pesquisadores das duas regiões e os resultados vão apoiar estudos de universidades federais dos dois estados. Os equipamentos utilizados na expedição foram adquiridos pelo Projeto Rebimar com o patrocínio da ­ ­Petrobras.


Mais lidas


View this post on Instagram #Repost @brasilexport Presidente do #SOPESP fala sobre Sudeste Export; garanta já a sua inscrição “Participamos do Sudeste Export pela conectividade dos assuntos estratégicos do setor portuário, envolvendo todos os atores que movimentam os principais portos do país. Tendências tecnológicas, ambientais, legais e previsibilidade de fluxos logísticos são temas cruciais para […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais