SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Mercado   /   Soja brasileira fica “cara demais” para a Europa

Soja brasileira fica “cara demais” para a Europa


Fonte: Agência Porto (4 de julho de 2018 )

A disputa comercial entre a China e os Estados Unidos não trouxe apenas más notícias aos produtores de soja norte-americanos. Ainda que o aumento de tarifas se concretize para o produto exportado à China, novas portas estão se abrindo no segundo maior importador de soja do mundo: a União Europeia.

 

A troca de farpas entre as duas maiores economias do mundo impulsionou os preços do grão no Brasil, o maior exportador do planeta, forçando os europeus a olhar para outros fornecedores. É provável que os Estados Unidos ultrapassem o Brasil como o maior vendedor para o bloco de 28 países já no próximo período de safra, segundo estudo do grupo financeiro Rabobank International, especialista em comércio exterior e crédito para agronegócio.

 

“Se a China implementar as tarifas, acreditamos que a Europa importará mais grãos dos Estados Unidos do que o Brasil”, afirma Michael Magdovitz, analista de soja da instituição. “A redução de preços dos grãos norte-americanos comparados aos brasileiros devem provocar essa situação”.

 

‘Toma lá dá cá’

A tensão comercial vem se intensificando nas últimas semanas, com a China prometendo retaliar as intimidações do presidente Donald Trump, que ameaça sobretaxar as importações chinesas em até US$ 200 bilhões. A China é o maior importador de soja do planeta, parcialmente utilizada para ração animal, e planeja reduzir os embarques dos Estados Unidos, o que provocou o aumento dos prêmios pagos à oleoginosa no mercado brasileiro.

 

Durante a última semana, por exemplo, as vendas que devem partir do Porto de Paranaguá em setembro estavam pagando até US$ 1,95 por bushel no mercado de futuros, segundo o analista de mercado Ary Oleofar, de São Paulo. Isso é o dobro do mês anterior. No mesmo futuro, os pagamentos da Bolsa de Chicago caíram 15%.

 

A União Europeia é o segundo maior comprador da soja brasileira,e o país sul-americano era o principal fornecedor do bloco nas últimas seis safras, segundo dados do Governo brasileiro e da Comissão Europeia.

 

Isso pode mudar com a provável guerra comercial, o que pode aumentar a participação da China na importação da soja sul-americana em 90% entre junho e dezembro, estima a Oil World (Soja no Mundo), publicação e consultoria alemã especializada em óleos e biocombustíveis.

 

A China pode substituir as importações de cerca de 4 milhões de toneladas oriundas dos Estados Unidos a partir do abastecimento brasileiro já no quarto trimestre, segundo o Rabobank. Essas perdas seriam parcialmente compensadas pelos norte-americanos em cerca de 2 milhões de toneladas, com a demanda por soja da União Europeia, que pode transferir os pedidos do Brasil para os Estados Unidos, tornando o país norte-americano o maior fornecedor do bloco econômico, conforme estimativa do banco.

 

“Isso já está acontecendo”, afirma Pedro Dejnek, sócio da empresa MD Commodities, de Chicago. “Enquanto a China concentra sua demanda ao Brasil, o resto do mundo se volta para os Estados Unidos”.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais