SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Mercado   /   Agroconsult estima 2ª safra de milho do Brasil em 55 mi t

Agroconsult estima 2ª safra de milho do Brasil em 55 mi t


Fonte: DCI (26 de junho de 2018 )

SÃO PAULO – Produtores brasileiros devem colher menos milho na segunda safra deste ano, já que o atraso no plantio e a prolongada seca reduziram a produção do segundo maior exportador mundial da commodity, disse a Agroconsult nesta segunda-feira.

 

Após a expedição técnica Rally da Safra, a consultoria previu que a segunda safra de milho do país, que está sendo colhida, totalizará 55,2 milhões de toneladas, abaixo dos 57 milhões considerados em maio e inferior também ao recorde de 67,3 milhões oficialmente estimado na temporada anterior.

 

A expedição técnica liderada pela Agroconsult terminou no dia 8 de junho e cobriu grande parte da área plantada da segunda safra de milho do país nos Estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás e Paraná.

 

“Outro fator contribuindo para a queda na produção e nos rendimentos foram os menores investimentos nos campos”, disse Pessôa, sócio-diretor da Agroconsult.

 

A previsão da consultoria foi feita depois que o governo estimou no início deste mês que a segunda safra de milho do Brasil, a safrinha, seria de 58,2 milhões de toneladas nesta temporada, quase 9 milhões de toneladas a menos ante a temporada passada.

 

“Atrasos na colheita de soja estreitaram a janela ideal para a plantação do segundo milho”, informou anteriormente a Conab, acrescentando que a seca também afetou a safra.

 

A safrinha, que é plantada depois da soja em muitas áreas, representa cerca de 70 por cento da produção do país e o torna o terceiro maior produtor do mundo, depois dos Estados Unidos e a China.

 

Graças à segunda safra, o Brasil se tornou recentemente um grande competidor para os EUA nos mercados globais, especialmente na segunda metade do ano.

 

A Agroconsult manteve sua previsão para a exportação de milho a 28 milhões de toneladas neste ano, apesar das incertezas relacionadas ao custo do frete rodoviário, depois que o governo decidiu intervir, após os protestos de caminhoneiros contra os altos preços de combustíveis no mês passado.

 

No entanto, algumas tradings de grãos pararam de comprar soja e milho brasileiro, conforme os receios sobre o aumento do custo logístico congelaram o mercado das duas maiores commodities do país.

 

“Não há movimento no mercado”, disse André Debastiani, outro sócio da Agroconsult.

 

A situação está preocupando alguns agricultores, já que eles estão colhendo o milho agora e não têm muito espaço nos silos, disse Debastiani.


Mais lidas


Os dados divulgados pela Autoridade Portuária de Santos (APS), em seu balanço operacional de março, apontam um recorde histórico na movimentação de cargas. Foram mais de 15,16 milhões de toneladas que passaram pelos terminais do Porto de Santos, um crescimento de 10,4% comparado com a marca histórica anterior, conquistada em agosto de 2020.   O […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais