SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Novas tecnologias   /   Tecnologia reduz poluição no embarque de grãos no Porto

Tecnologia reduz poluição no embarque de grãos no Porto


Fonte: A Tribuna (22 de novembro de 2017 )

A adoção de novas tecnologias pode reduzir a poluição gerada pelo embarque de grãos nos porões dos navios que operam no Porto de Santos. Essa é uma das conclusões do artigo científico elaborado pelo tecnólogo em Logística Eduardo Chirico Machado Holms.

Em sua pesquisa, o estudante apontou a utilização de um tipo shiploader (carregador) que promove a queda das cargas em cascata e, com isso, impede a emissão de partículas durante o carregamento.

Holms elaborou o artigo como uma das atividades de seu curso de MBA Internacional em Gestão Portuária, realizado na Faculdade Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial) de Santos e que será concluído no
próximo mês. O estudante já é formado em Logística pela Faculdade de Tecnologia (Fatec) Rubens Lara, também na Cidade.
“O embarque da soja nos porões dos navios gera interferências no ambiente. Evidentemente, sob o ponto de vista de quem se encontra dentro ou fora da área portuária, é possível a observação a olho nu da formação de particulados em grande escala, que é gerada como consequência do embarque da soja nos navios, e pode trazer malefícios ao meio em que a área portuária está inserida”, destacou o estudante.

O tema do artigo surgiu em uma aula em que o problema foi discutido. Em seguida, houve a fase de pesquisas para identificar o problema e a melhor maneira de reduzi-lo.

“Quando a operação de embarque é realizada com shiploaders comuns, a carga é despejada no navio em queda livre de uma altura de 20 metros ou mais até o chão do porão do navio. Quando o granel entra em queda livre descontrolada, há aceleração e a alta velocidade em conjunto com a grande quantidade de material é propícia para a emissão de particulados”, explica.

Na pesquisa, Holms cita especialistas do Reino Unido que propõem o uso de uma nova tecnologia que reduza a velocidade do embarque de grãos, ao mesmo tempo em que garanta um alto fluxo de volume de carga durante a operação. O equipamento identificado pelo estudante conta com cones que fazem a carga descer em zigue-zague.

“A solução encontrada foi o uso de tubos verticais telescópicos entre a extremidade final da esteira e o navio, que se estendem aumentando sua altura, alcançando o porão. Assim a carga não enfrenta queda livre de uma grande altura. A composição tubular é encapada de modo que não haja escape da poeira. E na extremidade final, pode ser colocada ou uma pequena tubulação cônica que direciona o material movimentado, ou uma espécie de saia feita de tecido flexível que entra em contato com o ponto mais alto da carga quando há formação da pilha, de certa forma guiando a formação da pilha dentro do porão do navio”, destacou o estudante.

Problema real

Os problemas relacionados à emissão de material particulado no Porto de Santos estão longe do fim. Pelo menos, esta é a conclusão do estudante, que aponta a necessidade de adaptação dos terminais que operam grãos no complexo.

Segundo Holms, o exemplo positivo da ADM do Brasil – que opera grãos no Corredor de Exportação, na Ponta da Praia, e utiliza em seu terminal shiploaders com tubos telescópicos para reduzir a emissão de partículas na atmosfera – é um fator que mostra ser possível solucionar o problema. Mas, para isso, são necessários investimentos privados e a fiscalização pública.

As consequências da emissão de material particulado durante as operações portuárias vão muito além da sujeira e do mau cheiro nas regiões próximas ao cais. Além dos riscos para os moradores do entorno, os terminais podem ter prejuízos com a deterioração de equipamentos, além de autuações e interdições das instalações.

Para o estudante, é evidente que a movimentação de cargas na área portuária impacta a qualidade do ar. O problema afeta diretamente a população, que pode sofrer com problemas respiratórios como já aconteceu em outros portos mundo afora.

Em seu artigo, Holms cita casos de surtos de asma em cidades como Barcelona, La Coruña e Valência, na Espanha, todas com movimentação de granel de soja nas áreas portuárias.
Partículas podem prejudicar terminais

As consequências da emissão de material particulado durante as operações portuárias vão muito além da sujeira e do mau cheiro nas regiões próximas ao cais. Além dos riscos para os moradores do entorno, os terminais podem ter prejuízos com a deterioração de equipamentos, além de autuações e interdições das instalações.

A conclusão é do estudante Eduardo Chirico Machado Holms, no artigo que elaborou e deu origem a seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do MBA Internacional em Gestão Portuária da Faculdade Senai de Santos.

“Com uma importância tão grande perante a economia, e a grande quantidade escoada no Porto de Santos, pode se considerar irresponsável realização da movimentação do granel de soja de forma desmazelada”, destacou.

Para Holms, poder público e iniciativa privada têm responsabilidade nesta questão. “Cabe também às empresas responsáveis pela movimentação desse material a mudança de política e o uso de tecnologias que garantam o manuseio seguro de granéis de soja, visto que é possível preservar o meio e ao mesmo tempo garantir a produtividade; e cabe ao Estado averiguar, inspecionar e regularizar as operações portuárias com granéis sólidos vegetais, visto que são responsáveis por preservar a vida de seus habitantes e o meio ambiente em que estão inseridos”.

Formado em Logística pela Fatec Rubens Lara, o estudante trabalha como operador de rastreamento em um terminal do cais santista. “Eu monitoro veículos que transitam pelo Porto. Não posso impedir o trânsito de um veículo. Mas eu procuro identificar se ele está em funcionamento correto ou não, se está acontecendo um sinistro, por exemplo”, explicou.


Mais lidas


  Estivemos presente na primeira Expo Retomada – Evento Teste Oficial autorizado pelo Governo do Estado de São Paulo e a Prefeitura Municipal de Santos, para falarmos sobre a reabertura dos eventos.   Nosso Diretor-Executivo, Ricardo Molitzas participou no 3º Painel: “Novas oportunidades de gestão para o setor de eventos” ao lado da Sueli Martinez […]

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais