SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Dragagem   /   Codesp frustra empresários do Porto

Codesp frustra empresários do Porto


Fonte: A tribuna (31 de julho de 2017 )

De acordo com o jornal A Tribuna, no dia 28/07 a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), encaminhou uma batimetria a Autoridade Marítima. O problema é que se tratava do mesmo material entregue no último dia 7. Com isso, o calado   operacional não foi alterado, o que frustrou empresários e usuários do complexo.

“Eu não entendi porque fizeram isso”, afirmou o capitão de mar e guerra Alberto Jose Pinheiro de Carvalho, comandante da Capitania dos Portos de São Paulo (CPSP). Segundo o oficial, os esforços direcionados ao aprofundamento surtiram efeito apenas em uma parte do trecho 1 do canal de navegação que vai da Barra de Santos até o Entreposto de Pesca. Nesta região, a batimetria foi feita na última quarta-feira. Na parte mais externa do canal não houve um novo levantamento de profundidade e sem ter o que apresentar, a Docas encaminhou a mesma documentação à autoridade Marítima.

Em nota, o Sindicato dos operadores portuários do Estado de São Paulo (SOPESP) demonstrou sua “perplexidade” com a informação de que o calado não será alterado para 13,2 como havia sido prometido pela Docas.

“Esse quadro implicará em novos prejuízos financeiros, além de graves reflexos na imagem do Portos de Santos, com repercussão internacional. Sem dúvida, é uma situação inadmissível, principalmente em razão dos sérios problemas que ultimamente envolver o Porto de Santos, incluindo a dragagem de berços e bacias de evolução. ”

Para o SOPESP, o não restabelecimento da profundidade do canal de navegação reforça ainda mais a necessidade de mudança na forma de contratação da dragagem. “A permanência do quadro dramático envolvendo a dragagem do Porto de Santos com a agravante da frustração de vivida hoje (sexta), indica claramente que o governo federal precisa agir e reagir, pois as consequências afetam também a economia nacional, na medida em que o complexo santista é responsável por mais de 27% da balança comercial brasileira”.

A entidade defende a criação de um consórcio formado por arrendatários, operadores portuários, terminais privados e, possivelmente, a Docas, para cuidar da obra. Esta, segundo a entidade, é a única maneira de garantir o serviço no caís santista.“Há muito o Sopesp trabalha até mesmo em um modelo condominial de empresa para apresentação ao Governo federal com o objetivo de assumir a dragagem do Porto de Santos e resolver definitivamente o problema. ”


Mais lidas


Conheça um pouco sobre a trajetória e o trabalho exercido pelos advogados de nossas associadas - Vivian Carvalho, gerente jurídico e compliance da Brasil Terminal Portuário e Leandro Fernandes, gerente jurídico do Terminal 12A. Pelo SOPESP, nossa Relações Institucionais, Marcelli Mello e nossa Assessora Jurídica, Gislaine Heredia.

Leia Mais

Os assistidos pelo Instituto Portus de Seguridade Social, o fundo de pensão dos portuários, obtiveram importante vitória na Justiça. O juiz José Alonso Beltrame Júnior, da 10ª Vara Cível de Santos, concedeu liminar em que determina a suspensão do aumento na contribuição dos participantes da ativa e aposentados.   A ação civil pública foi promovida […]

Leia Mais

Por causa da curvatura da Terra, a distância na qual um navio pode ser visto no horizonte depende da altura do observador.   Para um observador no chão com o nível dos olhos em h = 7 pés (2 m), o horizonte está a uma distância de 5,5 km (3 milhas), cada milha marítima igual a 1.852 […]

Leia Mais