SOPESP NOTÍCIAS

Home   /   Mercado   /   Após oito anos de déficits, Brasil volta ter superávit na balança comercial com os EUA

Após oito anos de déficits, Brasil volta ter superávit na balança comercial com os EUA


Fonte: Comex do Brasil (7 de julho de 2017 )

As exportações brasileiras para os Estados Unidos fecharam o primeiro semestre com uma alta expressiva de 21,06% e totalizaram US$ 12,912 bilhões e as vendas americanas ao Brasil registraram um aumento menor, de 11,75% para US$ 12,501 bilhões. Com esses números, o Brasil acumulou no primeiro semestre do ano um superávit de US$ 417 milhões no intercâmbio comercial com os Estados Unidos, o primeiro saldo depois de oito anos de deficits consecutivos.

Dados obtidos junto ao Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC) mostram o crescente equilíbrio no comércio entre os dois países, após sucessivos superávits obtidos pelos Estados Unidos entre os anos de 2009 e 2016. O desequilíbrio na balança comercial bilatral atingiu a cifra máxima em 2013, quando os americanos obtiveram um saldo de US$ 11,365 bilhões nas trocas comerciais com o Brasil. Entre 2009 e 2016, a balança comercial bilateral proporcionou aos americanos um saldo acumulado de US$ 48,3 bilhões.

Na avaliação de técnicos do MDIC, é grande a possibilidade de o Brasil fechar o ano de 2017 com saldo positivo na balança com os americanos, após oito anos de deficits seguidos e expressivos. A balança comercial bilateral sempre foi favorável ao Brasil entre os anos de 2000 e 2008 até que em 2009 esse cenário se modificou por completo e o Brasil passou a acumular saldos negativos nas trocas com os americanos. O último saldo positivo, obtido há nove anos, somou US$ 1,795 bilhão.

Para que o Brasil volte a ter saldo favorável no comércio com os americanos, avaliam esses técnicos, basta que o fluxo de comércio siga a tendência registrada durante o primeiro semestre do ano, com aumento significativo das exportações brasileiras e alta bem mais moderada nas importações de produtos americanos.

Um dos destaques nas exportações para os Estados Unidos é a forte participação dos produto manufaturados nos embarques para a maior economia do planeta. De janeiro a maio os bens manufaturados foram responsáveis por 56% do volume total exportado, com receita no montante de US$ 7,23 bilhões (alta de 9,7% em comparação com idêntico período do ano passado).

Os Estados Unidos foram também importante mercado para os produtos semimanufaturados embarcados pelo Brasil para o exterior. Esses bens geraram receita no total de US$ 2,35 bilhões, com alta de 27% sobre o primeiro semestre de 2016 e tiveram uma participação de 18,12% no volume total exportado para os Estados Unidos.

Em termos de produtos, graças a um aumento de 187,3%, o petróleo foi o principal item vendido aos americanos, com exportações no total de US$ 1,3 bilhão. A commodity respondeu por 10% das vendas totais àquele país. E nenhum outro mercado adquiriu mais aeronaves brasileiras que os Estados Unidos. As vendas de aviões, apesar da queda de 2,5%, totalizaram US$ 1,23 bilhão, equiavalentes a 9,5% do volume total negociado com os americanos no primeiro semestre do ano.


Mais lidas


Através de um investimento de 100 milhões de euros, a Tesla irá entregar os dois primeiros navios porta-contêinereselétricos à Holandesa Port-Liner, em Agosto.   Após a entrega, a Tesla entregará ainda mais seis navios com mais de 110 metros de comprimento, com capacidade para 270 contentores, que funcionarão com quatro caixas de bateria que lhes […]

Leia Mais

  O município de Balneário Barra do Sul, no litoral norte de Santa Catarina, poderá ganhar um empreendimento portuário vinculado a um complexo empresarial e de serviços. O empreendimento projetado – por ora é só isso, uma intenção – é denominado “Super porto BBS”. Dizem os investidores potenciais que o negócio poderá ocupar área de […]

Leia Mais